domingo, 24 de outubro de 2010

Apistogramma sp Pebas "Morado" (A89)

Originário do Peru, os exemplares existentes em minha casa são descendência directa de peixes capturados numa expedição em 2008 por Tom Christoffersen. De uma beleza ímpar, a variedade de tonalidades que pode apresentar consoante a incidência da luz ou o seu "estado de espírito" são impressionantes. Também é conhecido por Ap. sp. "Morado", Ap. sp. "Purple",Ap. sp. "Ampiyacu" e Ap. sp. "Dolly". É uma espécie, naturalmente, acidófila pelo que o seu alojamento em cativeiro deve ter em atenção as suas necessidades específicas, designadamente uma água 
macia, pouco mineralizada e ácida.
Pelo que tenho verificado, trata-se de uma espécie com uma forte tendência monogâmica, pelo menos nas condições que lhes tenho oferecido, contudo a sua reprodução - acessível - não é isenta de problemas. Não se trata de uma espécie muito prolífera e a taxa de sobrevivência dos alevins tem-se apresentado bastante reduzida... e isto baseado na minha experiência com dois casais distintos, em variados parâmetros de temperatura, os resultados têm sido, tendencialmente, sempre idênticos. Talvez por isto não seja comum, à parte das importações directas do Perú, encontrar esta espécie no hobbie.
Espero com alguma perseverança conseguir contornar os problemas que se têm verificado e vir a lograr introduzir no hobbie alguns exemplares mais adaptados à vida em cativeiro. A beleza e personalidade da espécie justifica-o e bem. 

Para a sua manutenção não aconselho um aquário inferior a 60cmx30cm, sendo o substrato mais indicado uma areia fina, inerte, coberta por uma camada de folhas secas (árvores da género Quercus ou a recente novidade no hobbie Terminalia catappa são indicadas).
Eu uso água proveniente de osmose inversa (100%), com adição ligeira de vitaminas e turfa, ou em formato líquido (extractos comerciais) ou com introdução directa no aquário, resultando num pH a rondar os 6. Mantenho a temperatura a rondar os 24ºC, apesar de os progenitores dos meus exemplares terem sido capturados em condições bastante mais extremas (pH: 5,91     Conductividade: 30 microSiemens/cm     T: 32,5 °C) no fim da época seca, são peixes relativamente tolerantes desde que os mínimos das suas exigências sejam cumpridos.

É sem dúvida uma espécie a difundir.

Sem comentários:

Publicar um comentário